quinta-feira, dezembro 12

ACALMAR O ESPÍRITO E RETORNAR À KAMI

No Kojiki, antigo texto do Shinto, são citadas as práticas de Chinkon e Kishin que com o passar do tempo já estavam quase fora de uso no Shinto. No início da década de 1900, Onisaburo Deguchi reviveu a prática do Chinkon Kishin dentro da Oomoto.

Chinkon é definido como “acalmar o espírito” e Kishin definido como “retornar à Kami”, juntos formam um método para se atingir a unificação com o divino. A vida diária cheia de distrações enfraquece as forças físicas e espirituais da maioria das pessoas que as necessitam recuperar contantemente através  de alguma forma de meditação que os conduza a um estado contemplativo mais profundo. 

De acordo com Yasuaki Deguchi, Onisaburo Deguchi recebeu os conhecimentos sobre o Chinkon Kishin através de uma revelação que teve quando realizava práticas ascéticas no Monte Takakuma.

O Chinkon Kishin foi praticado por muitos anos na Oomoto e atraía um grande número de novos seguidores que tinham ouvido os relatos sobre os benefícios do Chinkon Kishin para cultivar e canalizar a energia. Contudo, nos últimos anos a prática do Chinkon Kishin foi abandonada pela Oomoto devido aos profundos e muitas vezes, supreendentes efeitos que tinha sobre seus praticantes.
Em 1919, Morihei Ueshiba, criador do Aikido, se interressou pela Oomoto quando soube que Onisaburo podia se comunicar com os Kami e assim o procurou para que orasse por seu pai que estava doente. A Oomoto e os seus ensinamentos tiveram um profundo efeito sobre o caminho espiritual de Ueshiba e as práticas do Chinkon Kishin nunca foram abandonadas por Osensei, tanto que hoje em dia se encontram combinadas aos excercicios do Aikido, e sendo praticados em vários Dojos ao redor do mundo.

Em geral, entre os alunos de Morihei Ueshiba que mantiveram a prática divergem tanto nos detalhes como no grau de importância das práticas, e alguns declararam não as entenderem completamente. 

Um dos alunos de Osensei disse: "Nós as praticamos porque é muito importante... Sensei disse que descobriríamos o significado dessas técnicas por nós mesmos."

Michio Hikitsuchi, disse:
Osensei achava que uma criança recém-nascida não pensa muitas coisas. É uma coisa só com o Kami. Na medida em que a criança cresce, lhe são ensinadas muitas coisas e esse processo traz consigo muitas impurezas. É sem essa expectativa, sendo uma coisa só com o Kami, que nós podemos retornar à nossa mente conectada com o Kami, uma mente de amor. Nós chamamos essa prática de retorno à mente e coração do Kami de Chinkon. Pacificando nosso espírito e retornando à mente do Kami, nós podemos receber os seus poderes. Osensei achava que o objetivo das técnicas do Aikido era o retorno à Kami, então o recebimento de seus poderes.
Existem várias formas de Chinkon Kishin que Osensei praticava nos treinos de Aikido e que ainda são praticadas devido aos benefícios como também pela sua importância histórica.

Entre as práticas tem:
Torifune, "Exercício do Remador" também conhecido como Funakogi, envolve os movimentos dos braços e dos quadris como se estivesse a remar um barco. O objetivo é se movimentar à partir dos quadris, deslocando o peso do corpo do pé dianteiro para o pé traseiro, e novamente para o dianteiro enquanto as mãos se movem como se conduzidas pelo movimento dos quadris. 

De acordo com um importante texto do Shinto chamado de "Kami no Michi", os punhos ficam cerrados e o movimento das mãos é bastante linear. Em antigas filmes Ueshiba pode ser visto praticando o Torifune com movimentos de remar tanto de forma linear como em varredura.
Furitama, "Chacoalhar a Alma", é praticado de pé com as pernas separadas na largura dos ombros. As mãos ficam posicionadas juntas, com a mão esquerda sobre a direita. As mãos são posicionadas em frente ao abdômen e balançadas vigorosamente para cima e para baixo.
Ibuki Kokyu, "Respiração Profunda" consiste em uma profunda inalação, as mãos juntas à nossa frente, são levantadas unidas sobre a cabeça. E depois prosseguindo com uma lenta exalação trazendo as mãos para baixo pelo lado do nosso corpo até retornarem juntas para frente de nosso abdômen para completar o ciclo.
Chinkon deve conduzir ao kishin, um estado contemplativo em que o praticante começa uma "Meditação com o mudra do Chinkon", na frente do Hara,  para alcançar uma união mais profundamente com o Universo.
De acordo com John Stevens, quando Morihei Ueshiba ensinava sobre kishin ele dizia: “Sente-se calmamente em seiza. Feche os olhos e coloque as mãos na posição de mudra. Comece contemplando o reino manifesto e veja como o mundo se apresenta e sinta-o. Quando se acalmar, mergulhe no reino oculto e retorne à fonte das coisas.”

Referências
TANAKA, Massamichi. Sobre o Aikido e a Oomoto. Em Kameoka Japão, em outubro de 1998. Entrevista concedida a Susan Perry e Mary Heiny.
STEVENS, John. Os Segredos do Aikido. São Paulo: Editora Pensamento-Cultrix, 2007.
STAEMMLER, Birgit .Chinkon Kishin: Mediated Spirit Possession in Japanese New Religions. LIT Verlag Münster, 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...